O Plano de Gestão de Risco de Cheias para a Demarcação da Bacia do Rio Miño-Sil está fora para consulta pública

O Plano de Gestão de Risco de Cheias para a Demarcação da Bacia do Rio Miño-Sil está fora para consulta pública

  • O Plano inclui um programa de medidas no valor de 55 milhões de euros.
  • Foram identificadas 268 secções de Áreas em Risco Significativo de Inundações (ARPSI), organizadas em 26 agrupamentos, com um comprimento de 597,42 quilómetros.
  • O projecto PGRI estará aberto à informação pública durante 3 meses para alegações, observações ou sugestões.

 

Através de um anúncio da Direcção Geral da Água, a informação pública começou, durante três meses, sobre o projecto do Plano de Gestão de Risco de Cheias (PGRI) para o segundo ciclo da Demarcação Miño-Sil.

Durante este período, podem ser feitos comentários e sugestões à Autoridade da Bacia Hidrográfica do Rio Miño-Sil sobre o texto, que pode ser consultado no website da agência.

Os documentos para consulta fazem parte da terceira e última fase da avaliação e gestão dos riscos de inundação, que consiste na preparação e elaboração do PGRI do segundo ciclo, que deverá ser integrado no planeamento hidrológico da própria Demarcação.

Na parte espanhola da Região da Bacia do Rio Miño-Sil, foram identificadas 268 secções de Áreas em Risco Significativo de Inundação (ARPSI), organizadas em 26 agrupamentos (23 puramente fluviais, 2 fluviais-pluviais e um fluviais- subterrâneos), com um comprimento total de 597,42 quilómetros.

Os correspondentes mapas de perigo e risco foram gerados para estes ARPSIs. Do mesmo modo, os estudos realizados concluem que até 29.965 habitantes, uma superfície de 242,38 quilómetros quadrados, e até 149 elementos de importância singular (centros de saúde, educativos, culturais e de tratamento de água, etc.) podem ser afectados por inundações de baixa frequência (Q500).

O principal avanço no planeamento do risco é o estudo e a consideração das possíveis repercussões das alterações climáticas na incidência das cheias.

O programa de medidas do segundo ciclo de Planos de Gestão de Risco de Cheias para a parte espanhola da Região da Bacia Hidrográfica do Rio Miño-Sil inclui medidas no montante de 55 milhões de euros, em comparação com os 27 milhões de euros incluídos no primeiro ciclo, dos quais 41 milhões de euros correspondem a medidas contínuas e 14 milhões de euros a medidas pontuais.

Estas medidas incluem a manutenção e conservação de cursos de água, restauração hidrológico-florestal e planeamento agrológico; melhoria da permeabilidade das infra-estruturas; previsão de cheias, gestão de reservatórios e melhoria dos sistemas de alerta hidrológico; planos de emergência e auto-protecção, protocolos de activação e comunicação; adaptação do planeamento urbano, reorganização do uso do solo e promoção de seguros contra cheias para pessoas e bens, incluindo seguros agrícolas. Estão também previstas medidas estruturais, tais como a canalização, com estudos de custo-benefício.

Para a execução deste trabalho, será essencial a coordenação e colaboração de todos os agentes envolvidos, tais como as organizações da bacia, Protecção Civil e UME, administrações responsáveis pelo ordenamento do território, companhias de seguros, investigadores, etc.